Editora Belas Letras lança livros de Carpinejar e Luciano Braga

A Editora Belas Artes lança dois livros neste mês: O Poder do Tempo Livre, de Luciano Braga, e Liberdade na vida é ter um amor para se prender, do consagrado Fabrício Carpinejar. As obras serão lançadas durante a Feira do Livro de Porto Alegre, nos dias 10 e 11 de novembro, respectivamente.

Capa do livro de Luciano Braga | Foto: Divulgação

O Poder do Tempo Livre inicia com uma provocação: “Este livro não é para ser lido. É para ser usado”. Segundo o autor, o livro tem o objetivo de ser um catalisador, trazendo um conteúdo que demanda ação posterior. E desafia: “Encontre tempo livre e descubra o poder que ele tem para sua felicidade. Comece projetos paralelos. Agora”.

Quem assina o prefácio é Marcos Piangers, autor do best-seller O papai é pop, lançado pela mesma editora. “O Braga fez um pequeno manual para o sucesso pessoal, mas não colocou esse nome no livro, porque soaria como um daqueles manuais pra enganar otários. E essa não é a do Braga”, comenta.

Nas páginas que seguem, ele dá dicas de como organizar melhor o tempo livre e a importância de se dedicar a projetos paralelos, que podem revelar potenciais escondidos em cada pessoa. A partir de sua própria trajetória – Braga abandonou o mercado tradicional da publicidade para empreender –, o autor defende que dizer que não tem tempo é uma desculpa e que é possível sim viver uma vida incrível, desde que você se dedique àquilo que você ama.

O lançamento, que ocorre no dia 10, se divide em dois momentos: às 18h30, terá um bate-papo na Sala Santander Cultural (Rua 7 de Setembro, 1028), e às 19h30, uma sessão de autógrafos na Praça de Autógrafos.

Capa do livro de Carpinejar | Foto: Divulgação

Já a criação de Carpinejar reúne oitenta frases escritas à mão, e impressas tal qual como foram concebidas, em uma edição multicolorida, que não é apenas um livro, mas também um presente, com páginas destacáveis, que podem ser compartilhadas com outras pessoas, coladas na parede ou o que mais a criatividade do leitor permitir. Juntas, as frases contam uma história, da turbulência e dos revezes dos relacionamentos à busca pela felicidade, com as cores e as palavras que só a caneta de Carpinejar é capaz de revelar.

Manto dos poetas e dos músicos – como define o autor, nas primeiras páginas do livro –, o guardanapo é o papel mais apressado, mais à mão para anotar uma ideia ou memorizar uma rima. “Em seu uso, existe uma transgressão, a própria negação de sua utilidade: serve para limpar a boca, só que é redirecionado para resgatar uma frase do alto teor alcoólico e dos riscos de esquecimento da ressaca. Há um paradoxo delicioso em mudar a sua necessidade, pois o guardanapo é destinado ao descarte e acaba servindo para imortalizar instantes imprecisos da língua e declarações ansiosas de paixão”, escreve.

A sessão de autógrafos do livro será no dia 11, a partir das 17h, na Praça de Autógrafos da Feira do Livro de Porto Alegre.

Foto: Gabrielle Pacheco/Expansão RS | Fonte: Assessoria

Related Post